Você está aqui: Capa » Escola » Aprendendo desde pequeno, com os pequenos

Aprendendo desde pequeno, com os pequenos

Por Luciana Oliveira, professora do 3º ano do Ensino Fundamental

Na semana do dia das crianças, o colégio Átrio/Tatibitati desenvolveu diversas atividades e os momentos foram bastante intensos.

IMG_9388

As crianças se divertiram muito, e através da programação puderam vivenciar algo além das brincadeiras, diferentes formas de SER e ESTAR no mundo: sim, a tal da ética.

Algo dentro da programação me chamou bastante atenção e encheu meu coração de poesia e orgulho dos pequenos: este ano os presentes foram dados às crianças, pelas próprias crianças. Explico: as crianças do infantil presentearam as do fundamental e vice-versa, com presentes que elas mesmas produziram. Sou professora do ensino fundamental e durante o processo todo, pude presenciar dois momentos muito profundos: o do apego e o do desapego. O segundo, no entanto, veio recheado de cuidado amoroso e talvez, por isso, tenha dado tão certo. As crianças do ensino fundamental confeccionaram dedoches dos Saltimbancos, atividade que veio contextualizada dentro da programação.

Durante a confecção do brinquedo, pude presenciá-los muito apegados às suas criações, e não foram raras as vezes em que pude ouvir “Esse é MEU”, “cuidado com o MEU”, “o MEU ficou muito bonito, cuidado pra não misturar”, “olha, Lu, o MEU, que lindo!”. E mesmo sabendo que esse “MEU” duraria pouco, pareciam se abster completamente desse fato. Confesso que cheguei a me preocupar por algum tempo, mas quando chegou o momento da troca de presentes, percebi que o apego se transformara naturalmente em desapego, carinho, preocupação em saber se os amigos iriam gostar e até uma ansiedade em ser o primeiro a presentear.

Presenciei as crianças imbuídas de amorosidade, delicadeza e afeto. Fiquei emocionada e descobri que o desapego, o espírito coletivo, o olhar para o outro e a ética, só podem ser construídos dessa forma! E aquele ditado que diz: “É de pequenino que se torce o pepino”, nunca fez tanto sentido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top